Destaques

Projetos dão início a reestruturação do agronegócio cearense.

Tendo em vista o sexto ano consecutivo de seca e as dificuldades vivenciadas pela crise hídrica, o Governo do Ceará, por meio da Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece), anuncia a autorização de 19 novos projetos voltados para a reestruturação do agronegócio cearense. Mais de R$ 12 milhões serão investidos, sendo R$ 5,5 milhões oriundos do Estado e R$ 6,98 milhões de contrapartida das instituições parceiras.

As ações serão iniciadas ainda neste semestre e devem durar até 2020. Estão inclusos projetos ligados aos setores de leite, ovinos e caprinos, tilápia, camarão, algodão, palma forrageira, caju, fruticultura, floricultura e carnaúba. Outros trabalhos também englobarão temas abrangentes, como a atualização de informações sobre os polos de produção do Ceará e informações econômicas dos setores em geral.

“A ideia de reunir informações sobre os polos de produção do Ceará é uma atualização do que já havíamos feito anteriormente. No entanto, com a crise hídrica dos últimos seis anos, as produções sofrem mudanças. Precisamos rever essas informações com o intuito de nortear os investidores do Estado e aqueles que estão chegando. Também vamos fazer um diagnóstico do agronegócio cearense com propostas para o setor nos próximos 10 anos. Esse segundo trabalho será também em parceria com o Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece) e com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA), da Universidade de São Paulo (USP)”, comenta o diretor de Agronegócio da Adece, Sílvio Carlos Ribeiro.

Outra ação de relevância para o agronegócio cearense será a implantação de poços profundos para produtores de leite. O projeto será realizado em parceria com uma indústria de laticínios e promoverá a perfuração de 60 poços em diferentes regiões do Estado. As construções serão finalizadas ainda neste ano.

Programas de capacitação em carcinicultura, tilapicultura e uso eficiente da água, além de um projeto envolvendo a UFC e o DNOCS com foco na produção intensiva de tilápia e camarão e com baixo consumo de água darão impulso ao setor de pescados.

Um total de 11 câmaras setoriais somente para o agronegócio, além da Câmara Temática de Água e Desenvolvimento, funcionam no âmbito da Adece.São elas: Frutas, Flores, Leite, Mel, Ovinocaprino, Tilápia, Trigo, Camarão, Carnaúba. Caju e Equinos.

Outros seis projetos envolvendo os setores de ovinos e caprinos, algodão, fruticultura, flores, carnaúba e eficiência do uso da água já estão em andamento como iniciativas da Adece.

Aproximadamente 10 entidades e instituições de ensino participarão dos projetos em parceira com a Adece. Dentre elas além das citadas acima, participam: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE); Universidade Federal do Ceará (UFC); Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa); União dos Agronegócios do Vale do Jaguaribe (Univale); Associação Caatinga; Associação dos Produtores de Leite do Ceará (Aprolece); e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

As prefeituras de todos os municípios envolvidos, bem como a secretarias estaduais da Agricultura, Pesca e Aquicultura (Seapa), Desenvolvimento Agrário (SDA), Recursos Hídricos (SRH) e Planejamento e Gestão (Seplag) também serão parceiras na execução dos projetos.

(Com ADECE)

Deixe sua Mensagem

comentários

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 166 outros assinantes