Destaques

Transmissão de zika por pernilongo pode explicar incidência em algumas regiões.

A descoberta feita pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em Pernambuco, de que o pernilongo é capaz de transmitir o vírus Zika, pode ajudar a compreender porque a epidemia foi mais grave em algumas regiões do país, ou porque há mais casos de microcefalia em bebês de mulheres de baixa renda. Isso porque o Culex, nome científico do gênero do mosquito, se reproduz em água extremamente poluída, comum onde não há saneamento básico. Mas, para isso, os pesquisadores afirmam que ainda é preciso estabelecer qual a importância do inseto como vetor da doença.

O próximo passo é estudar características biológicas do Culex. Questões ambientais como a temperatura e umidade do local também são levadas em conta, segundo a pesquisadora da Fiocruz Constância Ayres.

De população mais numerosa que o Aedes aegypti, o Culex poderia ser mais difícil de se controlar à primeira vista. Mas, para a pesquisadora, ocorre justamente o contrário. “A quantidade de criadouros do Aedes é infinita. Pode ser uma tampinha, um pneu, uma calha, piscina, caixa d’agua, então é impossível mapear todos os ambientes. E ele prefere água limpa. Mas o Culex prefere água extremamente poluída, que são os canais, esgotos, fossa. Você consegue mapear e tratar”, afirma.

Pesquisa

Para chegar à conclusão que o pernilongo é capaz de transmitir zika, primeiro foi analisada em laboratório a competência vetorial do inseto, ou seja, se o Culex (o pernilongo) poderia ter o vírus, ao alimentar os espécimes com sangue infectado. Isso foi conquistado em mais de 200 mosquitos.

Na próxima etapa, foram colhidas amostras de mosquitos em áreas da Região Metropolitana do Recife, com registro da doença. A coleta foi realizada nos primeiros meses de 2016. 270 grupos, chamados pools, de 10 mosquitos cada, foram analisados. Em três desses pools, foram identificados pernilongos infectados.

Em duas dessas amostras, os insetos não estavam alimentados, ou seja, não tinham sangue sendo digerido, o que poderia causar uma falsa impressão de que o próprio mosquito estivesse infectado, quando, na verdade, o hospedeiro é que teria zika. A presença do vírus no organismo dos Culex foi confirmada.

Pela primeira vez no mundo, os pesquisadores conseguiram fotografar o vírus se reproduzindo dentro da glândula salivar dos pernilongos.

Foi realizada também uma comparação com o Aedes aegypti. A carga viral que o mosquito da dengue carrega na saliva é a mesma do Culex. No entanto, a taxa de infecção natural do pernilongo é duas vezes menor que a do Aedes, embora o Culex seja mais numeroso (a população é 20 vezes maior que a do Aedes na área estudada).

Os resultados dizem respeito aos espécimes coletados em uma área delimitada, mas, segundo a pesquisadora Constância Ayres, pode se considerar a descoberta como nacional, já que, em um estudo que será submetido à publicação, em breve, feito em parceria com a Secretaria de Saúde de Vitória, no Espírito Santo, também foram encontradas amostras positivas do vírus Zika em mosquitos Culex.

Mapeamento genético

No estudo também foi feito o sequenciamento genético do vírus encontrado no Culex. Isso significa que o conjunto de genes que formam o vírus Zika foi identificado, o que ajuda na criação de vacinas e nos diagnósticos da doença, de acordo com os pesquisadores. Anteriormente, Fiocruz Pernambuco descobriu que o vírus é semelhante, em estudo publicado no ano passado, retirado de uma amostra humana. Mesmo assim, há diferenças.

(Agência Brasil)

Deixe sua Mensagem

comentários

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 137 outros assinantes