Policial

Ceará precisa de 15 mil doadores de medula óssea em 2015

O Ceará tem uma cota de 15 mil cadastros de doadores de medula óssea para realizar em 2015. Em 2013, com o novo limite estabelecido pelo Ministério da Saúde, que elevou os 9.730 cadastros fixados em 2012, o Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce) cadastrou 8.252 doadores no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome). No ano passado,  quando foram iniciados no Estado os transplantes de medula óssea alogênicos, aquele em que o tecido transplantado provém de outra pessoa, um o doador , aparentado ou não, foram cadastrados 12.638 doadores, o equivalente a 84,25% da cota.

O cadastramento de doadores no Ceará ainda pode crescer dentro do limite e, assim, aumentar as chances de aparecer doador compatível com pacientes que precisam de transplante de medula óssea. Apenas 25% dos pacientes têm chance de encontrar um doador entre familiares. A chance de encontrar uma medula compatível no Redome é em média de 1 para 100.000. Atualmente, o Ceará tem 133.354 doadores cadastrados. Os primeiros quatro transplantes de medula óssea alogênicos realizados no Estado, todos no ano passado, foram realizados a partir de doadores aparentados.

Para aumentar as chances de um doador compatível, existe o banco mundial de doadores de medula óssea, que reúne 71 registros de células-tronco hematopoiética (as células que dão origem ao sangue), em 58 países, e 48 bancos de cordão umbilical em 32 países. Atualmente, estão cadastrados nesse banco mais de 24 milhões de pessoas. O Redome tem 3,5 milhões de doadores inscritos. O Brasil é o terceiro maior banco de dados do gênero no mundo, ficando atrás apenas dos Registros dos Estados Unidos (quase 7 milhões de doadores) e da Alemanha (quase 5 milhões de doadores).

No Brasil, o percentual de transplantes alogênicos é de cerca de 37% do total de transplantes de medula óssea realizados no país. Em 2012 foram 630 transplantes alogênicos para um total de 1.753 transplantes de medula. Em 2013, o total de transplantes foi de 1.813, com 669 alogênicos. No ano passado, do total de 1.427 transplantes, 529 foram alogênicos. No Ceará, dos 62 transplantes de medula óssea realizados em 2014, apenas quatro foram alogênicos, ou 6,45%. Para o hematologista Fernando Barroso, chefe da equipe médica de transplante do Hemoce, essa proporção vai se aproximar percentual nacional com a nova unidade de transplante do Hospital das Clínicas, que vai aumentar de três para oito o número de leitos.  

Para se cadastrar como doador de medula óssea é preciso ter entre 18 e 55 anos, estar bem de saúde, não ter tido câncer e apresentar documento de identidade e comprovante de endereço. O cadastro será concluído com a assinatura de um Termo de Consentimento e a coleta de uma amostra de sangue (10 ml). O cadastro deve ser mantido atualizado. Para tanto é possível fazer contato com o Hemoce, no Núcleo de Medula Óssea, enviando as alterações de dados para o e-mail  [email protected], ou diretamente no site do Redome (http://www1.inca.gov.br/doador/). Desde o ano 2000 o Hemoce é o responsável pelo cadastro dos possíveis doadores de medula óssea no Ceará.

Compartilhe:

Comente com Facebook

Feiticeiro Fm