Policial

Crônica de um mês de saudades, do eterno amigo Chiquinho.

Chiquinho

Dizem que a gente não leva nada da vida, nenhuma lembrança, prestígio ou sentimento. Nesse ponto creio que os vivos é que levam algo daqueles que se foram, mas é preciso estar atento para aprender, porque a lição pode vir de onde menos esperamos.

Era comum, nos fins de tarde, na grande maioria das vezes antes de seguir para Sucesso, ele vir papear aqui na rádio comigo. Chegava sempre com o semblante alegre, abria a porta e dizia: Boa tarde meu diretor, nem sempre, necessariamente, a mesma frase, em algumas vezes, ele chegava e dizia: Você ainda mora em Tamboril, faz tempo que não lhe vejo.

Eu ria sempre, ele entrava, caminhava pelo estúdio numa calmaria, parava, olhava bem sério pra mim e dizia: aqui tem café pra visitas, água… e depois soltava uma gargalhada.

Hoje, faz exatamente um mês, 30 dias que essas visitas foram interrompidas, não sei se porque tinha que se assim, ou se estava escrito assim. Não tenho conceito formulado sobre essas coisas de destino, sobretudo quando ele leva alguém que gostamos, só sei que a vida segue, enfim.

Chiquinho será sempre parte importante de uma história de luta por dias melhores, na politica do município de Tamboril.

Como poucos, ele sabia animar e levar ate o coração das pessoas, a mensagem daquilo que se pretendia, da importância da democracia e da luta para que melhores dias pudessem vir.

Era dele, a ação de agradecimento em todo evento politico de dizer: LEVANTA AS DUAS MÃOS PRO CÉU, SÓ QUEM TEM FÉ EM DEUS. Nessa hora, um mar de mãos, ficavam estendidas para cima, em uma demonstração de agradecimento.

Conheci Chiquinho, no auge dos meus 16 anos, na época, tínhamos uma rádio lá em Sucesso, naquela época, ele já namorava Dona Gorete, e todas as noites, nos encontrávamos, eu quando estava saindo da rádio, e ele quando ia esperar o ônibus para retornar pra Tamboril.

Conversávamos por longo tempo, política, era o prato principal da conversa-afiada.

Naquela suada campanha de 2005, quando Jeová ganhou a eleição por 17 votos, Chiquinho percorreu conosco, os cinco cantos do município, dedicava-se diuturnamente aquilo que fazia.

Viveu os mais importantes acontecimentos políticos do Tamboril da mudança, do Tamboril que hoje vive a plenitude de sua democracia, lembro-me de uma frase dita por ele a minha pessoa, após o resultado da eleição de 2008: Andei muito Manel, pra viver essa alegria aqui.

De todos os momentos, fica a nossa saudade, que é GRANDE e ETERNA.

Compartilhe:

Comente com Facebook

Feiticeiro Fm