Policial

Viagens, a nova crônica do tamborilense Pedro Salgueiro.

Viagens

Sempre fui de viajar bastante. Quando criança transitava pelos distritos mais próximos da minha pequena Tamboril, adorava visitar com meu pai os parentes nos vilarejos à beira do Acaraú; sempre corria estradas a pé ou de bicicleta com os amigos. Um dia fiquei encantado pela primeira vez com uma cidade “grande”, Crateús à beira do Poti. Certa vez fui conhecer minha avó paterna, Inácia, em Nova Russas. Já quase rapazinho corri de ônibus ainda em estrada de terra até o fim do mundo, era Fortaleza.

Depois ganhei mundo com muita vontade, vivia de mochila pronta; até descobrir que, naquela ânsia toda, apenas fugia de mim mesmo. As viagens para mim foram antes de tudo terapêuticas, aliviavam ansiedades, frustrações; então senti que, se não parasse, nunca mais voltaria: à minha cidade, à minha família, a mim mesmo. Com dois filhos fui fazer viagens imaginárias, pelos interiores; perdi quase que por completo a vontade de percorrer mundos.

Dia desses sonhei que tentava correr e algo me segurava ao chão, como se galhos imaginários se enroscassem em minhas pernas, tentava alçar voo e uma espécie de imã gigante me prendia ao solo: comecei a pensar que era a fatal atração da terra, que vai, a partir de certa idade, nos prendendo, nos sugando ao inevitável pó.

Como antídoto, imaginei-me viajando: peguei novamente a velha mochila já bem avariada; pus no sol para tirar o mofo, catei as roupas mais confortáveis, um que outro livro de aventuras (dessa vez não esqueci o cartão de crédito, o plano de saúde, o termômetro e os indispensáveis remédios da pressão).

Será, penso, a minha última tentativa de fuga.

Sempre detestei ser um turista típico, daqueles que se vestem como turistas, que agem como turista, que compram como turista. Desses que antecipadamente mapeiam os pontos turísticos em cada cidade a que vai visitar, que tiram mais fotografias do que olham (e sentem) propriamente as paisagens.

Sempre adorei me disfarçar de nativo, sem dar mínima “bandeira” de que era de fora: enfim, me incorporar a cada lugar percorrido, sentir seus sabores e saberes, ouvir seus sons, preconceitos e blefes.

Dia desses cheguei, ao conversar com um garçom, a assumir uma identidade falsa de morador que tinha família quase secular na cidade, que estava apenas retornando depois de muitos anos fora; aproveitei para me inteirar das novidades, do “povo mais novo”; dos lugares da moda.

Acabei confessando que fui na meninice parceiro de futebol do pai dele, lá pras bandas daquele bairro antigo do qual fiquei no dia anterior pela primeira vez encantado.

Marquei até de visitar o velho uma semana depois, quando seguramente eu já teria retornado à minha casa do outro lado do país.

Mas o bom mesmo das viagens é ver o nosso seguro mundinho bem de longe; ver que ele segue inabalável com sua rotina como se jamais tivéssemos feito parte dele. Ver como as coisas andam tão bem sem a nossa presença, como não fazemos a mínima falta.

E depois desse susto o melhor mesmo é voltar.

Antes que seja tarde demais!

(Crônica do tamborilense Pedro Salgueiro, publicada pelo O POVO)

Compartilhe!

APP FEITICEIRO FM

PÚBLICIDADE INSTITUCIONAL

Feiticeiro Fm

error: Conteúdo Protegido !!