Segurança

Quase cinco anos depois, tamborilense autor de homicídio é preso pela PM em Trairi.

Quase cinco anos depois de ter tirado a vida de um pai de família no município de Tamboril. Luís Carlos Alves da Silva, conhecido como Luís Garcia, foi preso na manhã desta segunda-feira no município de Trair i, localizado a 120 quilômetros de Fortaleza.

luis

A prisão foi realizada pela Polícia Militar, que recebeu a informação de que um foragido da justiça estaria residindo naquele município. Após diligências, a PM localizou Luiz acompanhado de uma filha e de sua mulher. Ao fazer a abordagem ele repassou para a polícia um nome falso, porém, os policiais estranharam a ação dele. Quando os policiais disseram que ele tinha que acompanhar a composição ate a delegacia para maiores averiguações, ele resistiu e tentou fugir, chegou a agredir com socos a composição, sendo necessário um disparo na região da perna para conter a agressividade do mesmo.

Ele foi levado ao hospital onde recebeu atendimento médico e após ser liberado foi levada a Regional da Polícia Civil em Itapipoca. Na delegacia Luís disse que era de Tamboril e que já tinha cumprindo pena. Em contato com a PM de Tamboril constatou-se que o mesmo havia praticado um homicídio em 2012 em Tamboril e fugiu sem ser preso.

Os policiais acabaram descobrindo que o autor registrou um filho em um cartório da cidade de Trairi usando um nome falso para não ser identificado. Fato confirmado pela companheira do mesmo. Informações apontam que ele já estava residindo no município a uns três anos sem levantar suspeitas. 

Luís Garcia deverá ser recambiado nos próximos dias para Cadeia Pública de Tamboril.

 O CRIME.

Ariston

A vitima do crime praticado por Luís Garcia era bastante conhecido em Tamboril. Ariston Lemos, foi morto com 04 perfurações a faca em um bar na localidade de Brutos a uns 03 quilômetros da sede. O crime acontece no dia 29 de junho de 2012. Na época Ariston foi pego de surpresa quando estava com amigos nesse bar. Populares que presenciaram o crime disseram que Ariston não teve chance de defesa.

Familiares do mesmo usaram as redes sociais após a prisão do autor de sua morte para lembrar do crime e pedir que a justiça possa se encarregar de fazer o autor pagar pelo crime de que cometeu. Se estivesse vivo Ariston teria completado 43 anos no dia 31 de Janeiro.

ENTREVISTA.

O soldado Fabrício da PM de Trairi falou a reportagem da Feiticeiro Fm sobre o crime. Ouça.

 

 

 

 

 

Compartilhe:

Comente com Facebook

Feiticeiro Fm