Regionais

Redução do FPM preocupa prefeitos; Acompanhe dados da região.

A redução do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) nos últimos meses vem preocupando os gestores cearenses. Tido como o principal repasse da maioria dos municípios, o FPM teve uma redução preocupante no mês de setembro, causando, ainda mais preocupação em um cenário de incertezas.

Dados divulgados pela Confederação Nacional de Municípios (CNM) mostram que o segundo decêndio do mês de setembro veio com uma redução de 16,15%, em comparação do mesmo período do ano passado. Se formos comparar as consequências da inflação, a redução aumenta e chega a 18,9%.

Na maioria dos municípios, o repasse andou longe de suprir a expectativa dos prefeitos, que agora sofrem para gerir o pouco recurso e fazer o pagamento de fornecedores e principalmente da folha de pagamento.

Em outro exemplo, segundo a CNM, em julho deste ano, os repasses aos municípios foram 151 milhões a menos, em relação ao mesmo período do ano passado.

Na região dos Sertões de Crateús, a situação não é diferente. Tamboril por exemplo, no segundo decêndio de setembro recebeu de FPM, a quantia de R$ 87.847,08. Catunda é outro município onde a redução foi surpreendente, o município recebeu apenas R$ 19.218,68; com o pouco recurso os gestores precisarão encontrar uma saída para manter em dia os compromissos. 

Folha de pagamento.

A principal preocupação é a folha de pagamento, que, diga-se de passagem, em alguns municípios aumentou mesmo com a redução do Fundo de Participação dos Municípios. Soma-se a isso a devolução do Imposto de Renda Pessoa Física-IR, que neste ano, também contribuiu muito para as dificuldades que as cidades estão enfrentando.

Em muitos municípios estão pagando os efetivos dentro do mês e até o dia 10 do mês subsequente pagando os contratados. Porém, com a escassez de recursos nem todos os municípios estão conseguindo manter está formula. Independência por exemplo, conseguiu concluir o pagamento o mês de agosto, no dia 20 de setembro. Canindé é outro município que não tem mantido o compromisso de pagar em dia todos os servidores. Iguais a estes, muitos são os municípios no Ceará e no Brasil que amargam as dificuldades.

A saída segundo especialista é enxugar ao máximo a folha de pagamento, reduzir funcionários comissionados, gratificações e corta serviços que não são essenciais. Ou os prefeitos adotam medidas enérgicas agora, ou então, daqui a alguns meses sofreram sérios problemas. Em alguns municípios, a situação poderá ficar ingovernável.

Veja o levantamento completo AQUI.

Compartilhe:

Comente com Facebook

Feiticeiro Fm

error: Conteúdo Protegido !!