Destaques

Depois da carne, preços do frango e ovos devem aumentar no Ceará

Seguindo o avanço do valor da carne bovina, que desde agosto acumula alta de 30% nos açougues cearenses, os preços de aves e ovos também devem aumentar já nas próximas semanas. “Nós vamos ter impacto em todos os segmentos. Primeiramente, o consumidor busca a carne mais barata, mas o preço das aves também vai subir”, prevê Francisco Everton da Silva, presidente do Sindicato do Comércio de Carnes Frescas do Ceará (Sindicarnes-CE).

O movimento acontece em razão da maior procura das pessoas por outras opções de proteína animal, como aves ou ovos, para fugir do aumento dos altos valores da carne vermelha – é de se esperar, portanto, que haja reajuste nos preços desses itens, principalmente nesta época de fim de ano. “A verdade é que todos esses produtos vão subir exageradamente em relação ao ano passado”.

Até o fim do ano, o presidente do Sindicarnes-CE estima que a alta da carne bovina pode chegar a 40% no Estado. O efeito do valor da carne vermelha sobre o do frango e também do peixe está sendo analisado pelo Ministério da Agricultura. A avaliação da Pasta é de que o preço da carne deverá se estabilizar em um patamar, influenciado diretamente pelo custo internacional da proteína.

Hoje, o preço da arroba do boi gordo (o equivalente a 15 quilos de carne) oscila entre US$ 40 e US$ 50. Se considerada a cotação desta sexta-feira (29), com o dólar a R$ 4,23, a arroba do boi chega a custar até R$ 201. Ou seja, para o Ministério da Agricultura, o preço da carne deve se estabilizar nesse patamar.

O aumento se deve a uma conjunção de fatores, diz Silva, entre os quais o crescimento da demanda do mercado da China, que mais do que dobrou o volume de importação da carne brasileira. “Este ano está sendo atípico porque, além do período da entressafra do boi, estamos vivendo o momento de maior exportação do Brasil nos últimos dez anos. A China aumentou em 110% a importação de carne do Brasil devido à peste suína, e essa recuperação é lenta”.

Além disso, o presidente do Sindicarnes-CE diz que outros concorrentes do Brasil no segmento estão com dificuldades para atender à demanda externa. “A Argentina está em crise e a Austrália enfrenta uma forte estiagem, por isso essa agressividade de mercados como o da China, Rússia e Arábia Saudita. Todos esses países dobraram suas importações, o que elevou os preços no mercado internacional. E, com o dólar do jeito que está, o produtor nacional quer (vender) no mercado externo”, explica Silva.

Na quinta-feira (28), a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo que, além do efeito das exportações, é preciso considerar fatores internos, como o preço nacional cobrado pelo pecuarista, que estava sem reajuste há três anos, sem esquecer da seca prolongada, que mexeu com a produção do boi gordo. “Sabemos que essa situação decorre de uma conjuntura de fatores. Agora, a arroba não vai baixar mais ao patamar que estava”, disse.

Abastecimento

Apesar do aumento do preço, o Governo Federal afasta a possibilidade de que haja qualquer risco de desabastecimento de carne no mercado nacional, uma vez que o Brasil conta hoje com um rebanho de 215 milhões de cabeças de gado, número superior ao da população do País.

“Realmente, o mercado chinês mexeu com as exportações, e não só da carne brasileira, mas da carne argentina, paraguaia, uruguaia. É muito grande a necessidade da China”, disse a ministra da Agricultura. “Além de o Brasil abrir as exportações, temos de lembrar que o boi tinha um preço represado há três anos”, apontou a ministra. “Antes, o produtor vendia uma arroba por R$ 140, em média. O que aconteceu é que, nesse primeiro momento de abertura, com a China pagando um preço muito bom, houve esse momento, digamos, de euforia”.

Inflação

O aumento do preço da carne bovina também foi um dos principais fatores de pressão sobre a inflação dos produtos industriais na porta de fábrica nos últimos três meses, segundo Alexandre Brandão, gerente de análise e metodologia da coordenação de indústria do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O Índice de Preços ao Produtor (IPP), que inclui preços da indústria extrativa e de transformação, registrou aumento de 0,64% em outubro, o terceiro consecutivo, conforme divulgou o Instituto nesta sexta-feira (29). Com alta de 2,12% – a maior desde junho de 2018 – os preços dos alimentos exerceram a principal influência sobre o resultado geral da indústria (0,47 ponto porcentual).

Com o resultado de outubro, o setor de alimentos já acumula alta de 4,17% no IPP em 2019. Os destaques são justamente “carnes de bovinos frescas ou refrigeradas” e “produtos embutidos ou de salamaria de suíno, exceto pratos prontos”. Se somados “rações e suplementos para animais” e “carnes de bovinos congeladas”, os quatro produtos tiveram influência conjunta de 1,78 ponto porcentual na alta dos alimentos no mês de outubro.

(Diário do Nordeste)

Comente com Facebook

Feiticeiro Fm

error: Alerta: Conteúdo protegido !!