Segurança

Catunda e outros 14 municípios do Ceará não registraram homicídios em 2019

Estudo foi realizado pelo Observatório de Segurança do Ceará. A maioria das cidades sem assassinatos tem de 11 mil a 13 mil habitantes.

O Ceará terminou o ano de 2019 com 2.257 mortes violentas, uma redução de quase 50% no índice, em comparação com os 4.518 assassinatos registrados em 2018. Um estudo do Observatório de Segurança do Ceará, divulgado nesta segunda-feira (27), apontou que a queda está relacionada a uma redução de crimes na capital cearense e por 15 municípios de diversas regiões do estado não terem registrado homicídios em 2019.

De acordo com o balanço, as 15 cidades do estado onde não tiveram Crimes Violentos Letais e Intencionais (CVLIs) no ano passado foram: 

Abaiara (10.849 habitantes)
Alcântaras (10.771 habitantes)
Ararendá (10.500 habitantes)
Araripe (20.685 mil habitantes)
Catunda (10.508)
Cedro (24.527 habitantes)
Chaval (12.617 habitantes)
Ibaretama (12.928 habitantes)
Ipaumirim (12.305 habitantes)
Iracema (13.725 habitantes)
Itaiçaba ( 7.698 habitantes)
Moraújo (8.069 habitantes)
Morrinhos ( 20.703 habitantes)
Palhano (9.348 habitantes)
Pires Ferreira (10.216 habitantes)

Destes municípios do interior, a maioria tem de 11 mil a 13 mil habitantes. A menor em população é Itaiçaba, com quase oito mil habitantes; e a maior, no Cedro, com, aproximadamente, 25 mil moradores. No ano de 2018, todas as 15 cidades tiveram ocorrências de CVLIs.

Os estudiosos que participaram do levantamento sobre as mortes violentas no Ceará destacaram no documento que Fortaleza registrou queda de 54,8% na letalidade. Na contramão, há localidades que mostraram requerer mais atenção das autoridades.

Aumento da violência

Há 21 municípios do Ceará que tiveram crescimento no número de assassinatos, são eles: Alto Santo, Aracoiaba, Porteiras, Milhã, Uruburetama, Antonina do Norte, Carnaubal, Senador Sá, Tarrafas, Amontada, Nova Jaguaribara, Assaré, Potengi, Santana do Cariri, Independência, Choró, Itatira, Banabuiú, Guaiúba, Chorozinho e Trairi.

Municípios cearenses com aumento de CVLIS:

 Alto Santo 211
Aracoiaba 515
Porteiras 26
Milhã 38
Uruburetama 25
Antonina do Norte 12
Carnaubal 12
Senador Sá 12
Tarrafas 12
Amontada 611
Nova Jaguaribara 47
Assaré 46
Potengi 23
Santana do Cariri 12
Independência 68
Choró 45

Comparados 2018 e 2019, as cidades de Alto Santo, Aracoiaba, Porteiras, Milhã, Uruburetama, Antonina do Norte, Carnaubal, Senador Sá e Tarrafas, apresentaram, pelo menos, o dobro no número de homicídios. Em Alto Santo, por exemplo, passou de duas para 11 mortes violentas.

O pesquisador do Laboratório de Estudos da Violência (LEV) e professor da Universidade Federal do Ceará (UFC), sociólogo César Barreira, aponta que “o momento que nós estamos vivendo, de diminuição de homicídios, é muito importante, para que a gente possa ter uma política cada vez melhor”.

“É ver o que está dando certo, o que está dando errado, quais são os municípios que concentram ainda essa violência, se realmente pode ser explicado pela migração (do crime). Nós não podemos ter policiamento elevado em todos os municípios do Ceará. Nós podemos ter conglomerados de atuação da Polícia, nesses municípios, para diminuir (os homicídios)”, completa.

Por meio do estudo também foi percebido que das vítimas da violência letal, 90% são do sexo masculino.

O principal meio utilizado para cometer crimes violentos no Ceará em 2019 foi a arma de fogo. Quase 80% dos homicídios aconteceram com uso deste tipo de arma.

(Com G1)

Compartilhe:

Comente com Facebook

Feiticeiro Fm