Destaques

Cidade cearense registra em dois meses, mais casos de Covid-19 do que 2020 inteiro

Na pequena cidade de Palhano, no interior do Ceará, a pandemia já tem sido mais dura em 2021 do que foi ao longo de 2020 inteiro. Com cerca de 9 mil habitantes, o município do Vale do Jaguaribe registrou 243 casos somente neste início de ano, segundo dados da Secretaria de Saúde atualizados na última quinta (4). Entre os meses de março e dezembro passados, foram contabilizados 212 diagnósticos positivos.

Em menos de três meses, a doença também já fez quatro vítimas, quase metade do número de óbitos em decorrência do coronavírus no município. Em todo o ano passado, foram seis mortes por Covid-19 na cidade. O alto índice de contaminação levou o governo a decretar lockdown, previsto inicialmente para durar nove dias.

O Comitê de Enfrentamento à Covid decidiu pelo fechamento de atividades não essenciais a partir do sábado (27). Palhano foi a quarta cidade cearense a aderir ao bloqueio este ano, junto a Meruoca, Mombaça e Santa Quitéria. De acordo com os dados oficiais da Prefeitura, a última semana foi a mais complicada desde a chegada do coronavírus ao município. O fim das medidas rígidas está previsto para o próximo domingo (07). No entanto, seguindo as orientações do governo estadual, as autoridades municipais devem aderir ao decreto por mais 14 dias.

Quem não tem gostado muito das restrições são os comerciantes, como Luiz Américo, de 44 anos, que é dono de uma pousada no Centro da cidade com capacidade para 40 pessoas em seus 10 apartamentos. No mesmo espaço, na parte debaixo, funciona uma churrascaria, da qual o empresário também é proprietário. Antes da pandemia, o estabelecimento abria duas vezes ao dia, mas, nos últimos meses, tem servido somente refeições no início da tarde – sem distinção entre almoço e janta como até então.

“A cidade já é pequena e a maioria dos hóspedes são construtores, vendedores e representantes comerciais. Gente que vem comprar mercadoria. Não tem muito turista que vem para se divertir, porque há poucos eventos que atraem o público. Com o fechamento, agora não tenho ninguém hospedado. Há quatro anos que eu tenho a pousada, nunca tinha passado por uma noite sem ninguém dormindo aqui. Essa semana só tinha uma hóspede, porque uma secretária do município estava lá”, lamentou.

Palhano tem apenas um hospital público para atender toda a cidade, o Hospital e Maternidade Maria Tereza de Jesus Mateus. Entretanto, o local não dispõe de Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs). Em situações mais graves, os moradores precisam ser transferidos para municípios vizinhos ou mesmo para a capital Fortaleza, a mais de 120 km.

Compartilhe:

Comente com Facebook

Feiticeiro Fm

error: Conteúdo Protegido !!