Regionais

Em entrevista a Rádio Verdes Mares, Cid Gomes fala sobre política, economia e conta detalhes dos bastidores de sua demissão do ministério da educação.

Cid Gomes
(FOTO: Divulgação/Internet)

O ano de 2015 foi complicado para a economia brasileira, principalmente no que diz respeito ao aumento da inflação e do desemprego. Uma das tentativas do governo de Dilma Rousseff de amenizar o problema foi as chamadas “pedaladas fiscais”. Quem avalia essa alternativa e outros problemas da economia brasileira é o ex-governador Cid Gomes, em entrevista para o programa Sábado Show, deste sábado (9), do jornalista Evandro Nogueira.

O parlamentar indaga que o Brasil “gastou mais do que devia e, durante muitos anos, praticou uma ‘farra’ de consumismo com o dólar subvalorizado em relação ao real, gerando um déficit na economia e na matriz fiscal do governo”. Segundo ele, a soma disso acarretou a elevação da inflação e a necessidade de redução de investimentos públicos.

Em relação ao desemprego, Cid Gomes explica que a queda do PIB foi uma das precursoras do problema da economia. “Aumento do desemprego e redução do poder de compra pela inflação fizeram com que a população se decepcionasse. A Dilma perdeu credibilidade e popularidade e, nessas horas, os políticos ‘achacadores’ colocam as ‘unhas do lado de fora’ e acabam criando essa crise política”.

E complementa: “a crise começa com a economia e avança com a política, criando um ciclo vicioso. Se você tem problemas na área política, fica difícil você tomar medidas que corrijam os problemas que, de fato, são econômicos”.

Uma das alternativas do governo Dilma foi as pedaladas fiscais, o que para Cid Gomes não é ilegal. “Um artifício contábil“, disse o ex-governador. “Para mim, ‘pedaladas fiscais’ é conversa para boi dormir. Isso não significa desonestidade e não significa roubo. Roubo foi o que aconteceu na Petrobras, roubo é o que acontece em muitos setores da vida nacional”, completou Cid Gomes.

O parlamentar acredita que o grande problema do Brasil e que deve ser enfrentado são os juros altos. “A economia brasileira depende muito dos investimentos públicos. Se o governo federal, estadual e municipal deixam de investir, acabam tendo repercussão na construção civil, no salário das pessoas, numa série de questões que influenciam a economia do país”, define Cid.

Ouça no player abaixo a entrevista do ex-ministro Rádio Verdes Mares de Fortaleza.

(Site da Verdinha)

Compartilhe:

Comente com Facebook

Feiticeiro Fm